Programas
  

PÓLIPOS DO RETO E DOS CÓLONS

 

 Pólipo  -  (neoformação  pediculada que  surge de membrana  mucosa)  é termo clínico,  inespecífico,  usado  para descrever qualquer tipo de projeção originária da superficie de revestimento mucoso do trato digestivo, ou de outras superfícies mucosa, independente de sua natureza, ou forma. Assim, eles  podem  ser adenomas  (neoplasias benignas), não  neoplásicos  (pólipos hiperplásticos); podem ser resto de processos inflamatórios  (pólipos inflamatórios) e  podem ser pediculados  (como define o próprio nome) ou não (séssil). Trata-se de afecção comum, ocorrendo em cerca de 20% dos adultos. Essa neoformação é, na maioria das vezes, benignas, no entanto há evidências de que os adenomas podem ser precursores do câncer.

Sinais e Sintomas

A evolução dos pólipos, na maioria das vezes, é assintomática podendo apresentar como sinal o sangue e a descarga de muco nas  fezes.  Outras  vezes,  o  que não é comum, pode ser causa de dor abdominal e alteração da função intestinal. Freqüentemente, os pólipos são encontrados durante exames endoscópicos ou no enema opaco.

Diagnóstico

Comumente  os pólipos  são diagnosticados  como simples achados ao exame contrastado do intestino grosso (enema opaco) ou durante o exame proctológico ou coloscópico. Em outras circunstâncias,  sua presença pode ser  suspeitada pelo médico e investigação (enema opaco ou coloscopia) ser dirigida no sentido de detectar ao pólipo. Isso é mais comum que ocorrora com crianças,  naquelas  situações em  que a mãe  procura o médico porque  notou sangue junto com as fezes. No  adulto o exame  dirigido é feito,  também,  quando há queixas  de sangue  visível nas fezes,  ou quando se detecta sangue oculto. No entanto, a ausência  de  sangue não exclui  a presença do pólipo. Quando se encontra um pólipo há a necessidade de exame completo do intestino grosso porque 30% dos pacientes tem mais de um pólipo.

Tratamento

Todos  os pólipos  devem ser  removidos,  independente  de  não  se ter  a certeza absoluta  de que o pólipo se  degenera em câncer. A remoção do pólipo é relativamente fácil, em mãos habilidosas e com o instrumental adequado. Esse procedimento é feito por ocasião da coloscopia, sem nenhum desconforto para o paciente

Recidiva

A remoção completa do pólipo promove sua cura. No entanto uma pessoa que tem pólipo é candidata a ter outro pólipo - isto é, novo pólipo aparece em cerca de 30% das pessoas que já tiveram pólipos. Por este motivo pessoas com pólipos devem ser seguidas por um cirurgião coloproctologista.

 

RETORNA

Júlio César M. Santos Jr. - Instituto de Medicina - Guaratinguetá, SP